Análise dos Elementos Técnicos do Andebol (ataque)

Ir em baixo

Análise dos Elementos Técnicos do Andebol (ataque) Empty Análise dos Elementos Técnicos do Andebol (ataque)

Mensagem  titusonline em Dom Fev 03, 2008 5:30 pm

1. Os Gestos Técnicos no Ataque
1.1. As movimentações dos jogadores
Segundo MARTINI (1980), entende-se os movimentos dos jogadores no terreno de jogo como uma “ …quantidade de processos técnicos com a ajuda dos quais o jogador se movimenta no campo, sem e com bola, para participar no jogo.” Assim, pressupõe-se uma preparação activa e consciente para estar à altura das exigências.

1.2. Desmarcação
A desmarcação é a “ acção de surpresa que resulta na ocupação de um espaço livre, iludindo o defensor que o marcava, (…) realiza-se sem a posse de bola e exige um domínio de deslocamentos e sobretudo de mudanças de direcção e de ritmo.” (ROMÃO, 2006).
Segundo MARTINI (1980) a desmarcação é utilizada pelos jogadores para se libertarem do adversário e ao realizar tal acção, correr para o espaço livre para poder receber a bola e lançar à baliza ou de outra forma participar no jogo. A desmarcação permite ao jogador alargar o espaço defensivo ocupado pelo adversário e assim criar-lhe alguma instabilidade defensiva por movimentações constantes.
Requisitos necessários:
- Ajuste corporal relacionado com a coordenação dinâmica geral;
- Ajuste corporal relacionado com a estruturação espácio-temporal. (MEDINA e ORTIN, 2002)
Princípios Fundamentais (MEDINA e ORTÌN, 2002):
- Nunca fixar o local para onde se pretende realizar a desmarcação;
- Deve realizar-se em momentos e lugares oportunos;
- Deve realizar-se com uma distância adequada para evitar contactos físicos
Eleição: “Lei das Distâncias”
Indícios:
- Situação de oponente directo;
- Situação de linha de passe;
- Situação jogador sem bola – oponente directo – receptor.








Fonte: ROMÃO (2006)
fig. 1: desmarcação do jogador após passe directo, seguido de recepção e lançamento (passe e entra).

Tipos de desmarcação segundo objectivos:
- Apoio: possibilita a relação entre jogadores;
- Superação: desdobra o oponente em profundidade;
- Protecção: Ocorre perante a impossibilidade de conexão para não perder a posse de bola.

Formas de realização:
-Rectilíneos: quando existe um espaço claro (o defensor não está na linha de remate);
- Curvilíneos: Intenção de ultrapassar e “livrar-se” dos defensores que se encontram na linha de remate;
- Mistos: com varias mudanças de direcção, enganando ou dificultando a acção defensiva. (Medina e Ortín, 2002)






Fonte: Medina e Ortín, 2002.


1.3. Paragem
A paragem é um gesto utilizado pelo atacante para travar de repente uma corrida rápida e assim se livrar, durante alguns momentos, dos seus adversários directos e assim conseguir fugir à sua marcação para realizar determinados gestos atacantes (MARTINI, 1980). Assim, durante um tempo relativamente curto, o jogador fica liberto e pode passar a bola ou rematar à baliza. A paragem pode ser executada por meio de um ou dois passos de travagem ou de um pequeno salto côa as duas pernas. Deve-se dedicar muito tempo à paragem pois da sua execução correcta dependem muitas vezes acções de jogo, especialmente as executadas com bola.
Depois de um deslocamento a paragem é realizada apoiando no solo com força a perna correspondente, como se a intenção se relacionasse com uma progressão para a frente. Em simultâneo efectua-se uma inclinação do tronco à frente para se obter uma reacção regulada no sentido contrário à trajectória adoptada. As paragens podem ser realizadas a um pé, a dois pés ou em salto.






Fonte: GONZALEZ e SECO (1991)
fig. 2: paragem, com um pé, com 2 pés e em salto.

1.4. Deslocamentos
Para GONZALEZ e SECO (1991), o Jogo de Andebol baseia-se essencialmente na antecipação para ocupar espaços no terreno de jogo. A riqueza do jogo exige intervenções múltiplas com implicações espaciais de diferentes tipos: deslocamentos maiores ou menores, mais rápidos ou mais lentos, com diferentes direcções que facilitem maior campo visual, ritmos diferentes, espaços a ocupar, relacionados com toda a dinâmica de alternâncias para “ocupar ou abandonar espaços”, o que obriga a um domínio corporal, sensibilidade global e segmentada do corpo, alternando entre os diferentes tipos de deslocamentos e paragens. Já segundo OLIVER e SOSA (1996), dizem respeito à ocupação de espaços de acção ou à sua criação para os respectivos companheiros.

1.4.1. Deslocamentos ofensivos sem bola:
“Dizem respeito à acção de transferir-se de um local para outro pelo terreno de jogo sem ter a bola na sua posse, tanto dentro como fora do posto específico (…)” (ÀNTON, 1993). Podemos ainda considerar “ (…) os deslocamentos como o suporte de todas as acções, já que uma percentagem altíssima de intervenções se realiza em movimento.” (BÁRCENAS e ROMÁN, 1990). Segundo MEDINA e ORTÌN (2002), os deslocamentos sem bola podem ainda dividir-se em deslocamentos de 3 tipos:

1.4.2. Deslocamentos com mudança de ritmo
São “aqueles deslocamentos que se realizam variando a velocidade do jogador adequando-a a uma determinada situação” (MEDINA e ORTÌN, 2002);


1.4.3. Deslocamentos com mudança de direcção
São “ aqueles deslocamentos que se realizam variando a trajectória do jogador de tal forma que não se realize paragem durante o deslocamento.” (MEDINA e ORTÌN, 2002);

1.4.4. Paragem
A paragem corresponde à “acção de reter-se com equilíbrio corporal durante a realização de um deslocamento” (MEDINA e ORTÌN, 2002).
Os deslocamentos sem bola dependem de determinadas variáveis em função dos objectivos que pretendem atingir, mas deve-se sempre adoptar posições de equilíbrio que beneficiem a aceleração e mudança de ritmo (FALKOWSKI e ENRÌQUEZ, 1982). Os deslocamentos devem sempre realizar-se sem “ (…) nunca perder o campo de visão, seja qual for o tipo de deslocamento adoptado” e deve adoptar-se um deslocamento em função das circunstâncias de jogo (FALKOWSKI e ENRÌQUEZ, 1982).
Segundo BÁRCENAS e ROMÁN (1991) os deslocamentos são definidos em função:
- Da direcção: para a frente, para trás ou laterais;



Fonte: MEDINA e ORTÌN, 2002

- Do tipo de deslocamento: marcha, corrida ou deslizamento;




Fonte: MEDINA e ORTÌN, 2002

- Das mudanças de direcção no deslocamento: simples, duplo ou múltiplos.



Fonte: MEDINA e ORTÌN, 2002
1.5. Descrição dos gestos técnicos, segundo MEDINA e ORTIN (2002)
a) Deslocamento frontal para a frente
- Cabeça: abranger o maior campo visual;
- Tronco: ligeira inclinação para a frente;
- Mãos: em atitude de recepção da bola;
- Braços: semi-flectidos, com o bordo radial orientado para cima e afastados ligeiramente do tronco. Acentuando a orientação para a bola;
- Pernas: realizam passos mais ou menos largos em função do espaço e da velocidade de deslocamento. A perna responsável pela paragem está mais adiantada na direcção do deslocamento. A perna responsável pela mudança de direcção será a mais afastada da nova direcção adoptada;
- Pés: a superfície de contacto com o solo é o metatarso e dedos.
b) Deslocamento frontal para trás
- Cabeça: abranger o maior campo visual;
- Tronco: como responsável por manter o equilíbrio, adopta uma posição quase vertical;
- Mãos: em atitude de recepção da bola;
- Braços: semi-flectidos, com o bordo radial orientado para cima e ligeiramente afastados do tronco. Acentuando a orientação para o bola;
- Pernas: realizam passos cómodos cuja longitude está limitada pelo equilíbrio. A paragem realiza-se com a perna mãos adiantada na direcção do deslocamento. A perna responsável pala mudança de direcção será a mais afastada da nova direcção;
- Pés: em contacto com o solo.

Fonte: MEDINA e ORTÌN, 2002



c) Deslocamentos laterais
- Cabeça: abranger o maior campo visual;
- Tronco: ligeiríssima flexão para a frente;
- Mãos: em atitude de recepção da bola;
- Braços: semi-flectidos, com o bordo radial orientado para cima e ligeiramente afastados do tronco. Acentuando a orientação para o bola;
- Pernas: realizam passos de longitude variada em função da velocidade e do espaço. A perna responsável pela paragem e neste caso mudança de direcção, é a mais adiantada na direcção do deslocamento.

d) Mudança de sentido sem variar a orientação
- Nos deslocamentos para afrente e para trás, a perna de impulso será a direita ou esquerda, indistintamente (a-b)
- Nos deslocamentos laterais, a perna esquerda para o lado direito (c) e a direita para o lado esquerdo (d).

e) Mudança de direcção sem variar a orientação
a. Perna de impulso, a esquerda
b. Perna de impulso, a direita
c. Perna de impulso, a esquerda
d. Perna d impulso, a direita.

f) Mudança de direcção e mudança de sentido variando a orientação
- Deslocamento frontal e lateral, ” (…) é impulsionado com a perna mais adiantada em relação à direcção adoptada, antes de produzir-se a mudança de direcção ou sentido. Coincidindo com o impulso, realiza-se um giro com o pé correspondente para realizar-se a mudança de orientação.” (MEDINA e ORTIN, 2002)




Fonte: MEDINA e ORTÍN (2002)
1.6. Deslocamentos ofensivos com bola
Segundo ÁNTÓN (1993) são “ (…) aquelas formas de movimento do jogador pelo espaço de jogo mantendo a posse de bola ajustado às condições regulamentares, e sem utilizar o drible”. Segundo o mesmo autor podem dividir-se em Deslocamentos Fundamentais que correspondem a “ todos aqueles deslocamentos que terminam com a perna contrária ao braço executor mais adiantada” (ÁNTÓN 1993) e Deslocamentos Especiais que correspondem a “ todos aqueles deslocamentos que terminam com a perna do mesmo lado do braço executor mas mais adiantada.” (ÁNTÓN 1993)
Segundo OLIVER e SOSA (1996), os deslocamentos com bola são utilizados para “ criar espaços de actuação próprios ou para os companheiros com bola dentro dos preceitos regulamentares”.




1.6.1. Descrição do gesto técnico
Segundo BÁRCENAS e ROMÁN (1991):
- Braços e mãos: afastam a bola do defensor (protecção) aproximando-o ao tronco. Durante um possível drible, deve realizar-se com a mão mais afastada do defensor;
- Pés: quando a recepção se dá com qualquer pé no ar, deve-se regulamentarmente ter em conta:
2 pés no solo: encontra-se no ponto 0. O primeiro contacto corresponde ao primeiro passo.
1 pé no ar: pé em contacto no ponto 0. Quando o pé do ar contactar com o solo dá-se o primeiro passo.
2 pés no ar: queda alternada. O primeiro contacto corresponde ao ponto 0, o segundo contacto corresponde ao primeiro passo. No caso de queda em simultâneo, os 2 pés contactam o solo ao mesmo tempo e corresponde ao ponto 0, o segundo contacto corresponde ao primeiro passo.



Segundo BÁRCENAS e ROMÁN (1991) e de acordo com a regra 7:3 (anexo 1), considera-se passo quando:
Um jogador com os dois com os 2 pés em contacto com o solo, levanta um e volta a colocá-lo no solo ou desloca um;
Quando um jogador com um pé no solo, recebe a bola e toca na continuação com outro pé;
Quando um jogador em suspensão toca no solo com um pé e volta a saltar sobre o mesmo pé ou toca no solo com o segundo pé;
Quando um jogador em suspensão toca no solo com os 2 pés em simultâneo e levanta um pé e volta a colocá-lo no solo ou desloca o outro pé.


1.6.2. O ciclo de passos
Segundo MEDINA e ORTÍN (2002), 1 ciclo corresponde a 3 passos do jogador com bola sem realizar drible. “Diz respeito às possibilidades regulamentares que o jogador com bola tem em utilizar, 1, 2 ou 3 passos.” (MEDINA e ORTÍN, 2002). Se o jogador nesta fase recorrer ao drible em qualquer momento, é possibilitada a execução de um novo ciclo. A partir daqui não existem mais possibilidades de realizar outros ciclos.
Exemplo máximo de possibilidades:
3 passos (1 ciclo) + Drible + 3 passos (novo ciclo)

titusonline
Admin

Mensagens : 34
Data de inscrição : 19/12/2007
Idade : 36

Ver perfil do usuário http://desporto.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum